Agorismo em Série: Quem Foi Samuel E. Konkin III?

Taiane Copello
taiane.copello@gmail.com

Carioca, 22 anos, estudante de filosofia na UFRJ, escritora de artigos da Universidade Libertária, ex-coordenadora do projeto LibertaRio e do Grupo de Estudos Walter Block. Palestrou na Frente Libertária; publicou um artigo na Revista Pontes sobre filosofia austríaca; escreve monografia sobre Praxeologia; tem mais de dois mil e duzentos seguidores no twitter onde posta com frequência conteúdo libertário e demais temas que envolvam filosofia e economia.

Nessa série de artigos sobre a corrente libertária que denominamos Agorismo, falamos um pouco sobre o que é a ideia no artigo anterior. Desta vez, iremos explicar a vocês quem foi Samuel E. Konkin III. Se você tem nos acompanhado na ordem de lançamento da série, já sabe que ele foi o criador do Agorismo. Mas o que mais nós podemos conhecer a fundo sobre este autor?

Primeiramente, como dito, é o criador e idealizador do Agorismo, a estratégia libertária de tentar se desvincular do estado em nossas vidas. Ele nasceu em 1947 em Saskatchewan, uma das províncias do Canadá e cresceu em Edmonton, também no Canadá. Estudou na Universidade de Alberta, onde descobriu a política e foi líder da Young Social Credit League, algo como Liga Jovem do Crédito Social em tradução livre. Nessa época, aos 20 anos, claramente ele ainda não tinha descoberto o libertarianismo, já que esta organização foi criada na década de 30 e defendia o enriquecimento do governo por meio de subsídios a consumidores e produtores.

Segundo, em 1968 ele finalmente descobriu o libertarianismo ao ler o livro “Revolta na Lua” de Robert Heinlein, cujo título original em inglês é “The Moon Is a Harsh Mistress”. O livro é um romance, sendo assim, uma ficção, onde conta sobre a revolução libertária que se deu com a colonização da lua contra seus governantes da Terra. Ele ficou fascinado pela visão “anarquista racional”, assim descrita no livro, do personagem “Professor Bernardo de la Paz”, o líder intelectual dos rebeldes na Lua. Mais tarde, Konkin foi estudar química na Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, onde através de seu colega de quarto descobriu os textos da filósofa e romancista Ayn Rand e, depois, dos economistas Ludwig Von Mises e Murray N. Rothbard. Durante seus estudos também descobriu que o Professor Bernardo De La Paz, personagem do livro que havia aberto seus olhos, era baseado em uma pessoa real, o pensador anarquista de mercado Robert LeFevre.

Com essas influências, ele acabou entrando para entidades conservadoras na universidade, incluindo o YAF, sigla para “Young Americans for Freedom” (Jovens Americanos pela Liberdade, no português). Além disso, é importante contextualizar o estado do movimento libertário nos Estados Unidos na época em que Konkin ainda era um jovem estudante. Em 1969, houve um conflito interno tanto no YAF, quando os libertários “de direita” romperam com os conservadores, quanto no SDS, sigla para “Students for a Democratic Society”, em que os anarquistas de livre mercado romperam com a organização. Konkin fazia parte dos libertários que saíram do YAF e participou da convenção histórica de 1970 que uniu os libertários “de esquerda” e “de direita”, idealizada e liderada por Rothbard e Karl Hess. No final de 1971, surgiu o Partido Libertário, e os anarquistas de mercado se dividiram entre aqueles que entendiam a política como uma forma de disseminar as ideias libertárias e aqueles que o entendiam como uma traição aos ideais libertários.

Samuel Konkin se posicionou contra a participação política, em claro conflito com a postura de Rothbard, que naquele momento era um grande apoiador do partido, apesar de achar prematuro. Konkin e Rothbard sempre divergiram muito em relação à estratégia para um mundo mais livre, tiveram alguns debates, mas continuaram trocando cartas e cooperando em alguns projetos até a morte de Rothbard em 1995. Como o próprio Konkin reconheceu em uma entrevista em 2002, Rothbard sempre quis manter o máximo possível de opções estratégicas para o movimento. Um fato interessante sobre Konkin é que ele esteve muito próximo do desenvolvimento do movimento libertário nos Estados Unidos, então seus relatos históricos são muito bons.

De 1968, quando se tornou um libertário até 2004, quando faleceu, Konkin participou e criou diversas organizações libertárias, desde editoras até institutos. Criou várias publicações e folhetos, em uma época em que era necessário imprimir e distribuir fisicamente, uma vez que a internet ainda não existia, nem mesmo o email. Ele escreveu vários livros, alguns dos quais foram publicados apenas postumamente. O mais famoso é o “Novo Manifesto Libertário”, de 1983, que estabeleceu as bases para o Agorismo. Vale destacar que ele é “novo” em relação ao Manifesto Libertário de Rothbard, sendo como um complemento ao anarcocapitalismo de Rothbard.

Outros livros importantes são o “An Agorist Primer”, onde ele faz uma abordagem mais completa e profunda do Agorismo, e o “Counter-Economics: From the Back Alleys To the Stars”, que foi publicado de forma incompleta em 2018. Nesse livro, ele dá várias dicas e dados da contraeconomia, demonstrando como alguém pode viver de forma contraeconômica.

Konkin foi uma pessoa excêntrica, grande fã de ficção científica e grande criador de neologismos. Além de “Agorismo” e “Contraeconomia”, ele criou o termo “minarquista”, para descrever aqueles que defendem um estado mínimo e “Kochtopus” para descrever as instituições financiadas pelos bilionários Irmãos Koch. Uma pessoa que teve grande participação e influência entre os libertários, sendo uma grande inspiração para os atuais criptoanarquistas e criptopunks. Depois da criação do Bitcoin, dos vazamentos de informações governamentais como o Wikileaks, Panama Papers e os relatórios da NSA de Edward Snowden, os abusos governamentais e a necessidade de uma economia livre são cada vez mais evidente. Tudo isso tem feito o Agorismo crescer significativamente no mundo nos últimos anos. Uma pessoa incrível, com muito apreço pelos seus princípios e que muito fez pela defesa consistente da liberdade. É realmente uma pena que tenha falecido tão novo, aos 54 anos em 2004, aparentemente de causas naturais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KONKIN, Samuel. O Manifesto do Novo Libertário. Artigo publicado pela Libertyzine. 16 de março de 2017.

Agorismo: Liberdade Na Prática. Roteiro. Curso da Universidade Libertária. Sessão 1: Introdução; Sessão 2: O Que É O Agorismo?

Pesquisa: “Quem foi Samuel Edward Konkin III?”, em 14 de janeiro de 2021. Acesso em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Samuel_Edward_Konkin_III.


Sem comentários

Deixe seu comentário