Por que eu sou um libertário de esquerda?

Destaque

Texto original é de Jeff Riggenbach e pode ser encontrado aqui: https://c4ss.org/content/39598. Tradução por June.

Muitos libertários dizem que o espectro político tradicional de esquerda/direita tornou-se sem sentido e inútil. Mas, na medida em que isso é verdade para eles, é apenas porque se deixaram confundir pela fraude política e, talvez, por um histórico fraco na história política. O espectro é tão útil e significativo como sempre foi, o que é muito. É necessário apenas esclarecer o pensamento sobre o século passado na política americana para ver que é assim.

Mas vamos começar do início — com o que o espectro esquerda/direita significava quando foi criado durante a Revolução Francesa. Murray Rothbard escreveu que o “liberalismo” do século XVIII foi “o partido da esperança, do radicalismo, da liberdade, da Revolução Industrial, do progresso, da humanidade; o outro [partido] era o conservadorismo, o partido reacionário, o partido que ansiava por restaurar a hierarquia, o estatismo, a teocracia, a servidão e a exploração de classe da velha ordem”. E de acordo com Will e Ariel Durant em seu livro The Age of Napoleon, foi na Assembleia Legislativa Francesa, no outono de 1791, que os termos direita e esquerda foram usados pela primeira vez neste sentido político. Como dizem os Durant, quando a assembléia se reuniu, a “minoria substancial dedicada a preservar a monarquia… ocupou a seção direita do salão e, assim, deu nome aos conservadores em todos os lugares”. Os liberais, entretanto, “sentaram-se à esquerda”. Uns cinquenta anos mais tarde, após outra Revolução Francesa (a que ocorreu em 1848) ter destituído o último rei francês, Luís Filipe, o mesmo arranjo de assentos foi revivido para a recém-eleita assembleia legislativa da Segunda República. Como sempre foi observado, dois dos legisladores recém-eleitos que se sentaram juntos no lado esquerdo daquela assembléia em 1848 e 1849 foram o economista de livre mercado e publicitário do livre comércio Frederic Bastiat e Pierre-Joseph Proudhon, o primeiro homem a se declarar publicamente um anarquista.

Esta concepção do espectro político esquerda/direita também orientou a compreensão política do ativista libertário e escritor do século XX Karl Hess, que escreveu há quarenta anos que em “extrema direita […] encontramos monarquia, ditaduras absolutas, e outras formas de governo absolutamente autoritário”, enquanto a esquerda “se opõe à concentração de poder e riqueza e, em vez disso, defende e trabalha para a distribuição de poder no maior número de mãos”. Assim como o mais à direita que você pode ir é a ditadura absoluta, Hess argumentou, então “ [o] mais à esquerda que você pode ir, historicamente, é o anarquismo — a oposição total a qualquer poder institucionalizado, um estado de organização social completamente voluntária.”

Agora, se pegarmos esse modelo do espectro político de esquerda/direita e aplicá-lo à política de hoje, o que se segue disso? Primeiro, que todas as ditaduras, sejam chamadas de comunistas ou fascistas, estão na direita. Isso, é claro, é contrário à doutrina apresentada há alguns anos em um livro ridículo e infelizmente um tanto influente chamado Liberal Fascism, no qual o autor, Jonah Goldberg, tenta provar que ditaduras fascistas como a que Adolf Hitler dirigiu na Alemanha nos anos 1930 e no início dos anos 1940 eram e são ditaduras de esquerda, porque eram socialistas e o socialismo é um fenômeno de esquerda. Na verdade, exatamente o oposto é a verdade da questão. Fascismo e socialismo são a mesma coisa, mas ambos são produtos do pensamento de direita. O socialismo nunca esteve realmente na esquerda. Os socialistas originais, na primeira parte da século XIX, eram defensores das ideias de Henri Saint-Simon, um ex-monarquista e minucioso conservador, defensor de direita do antigo regime que tinha decidido que a revolução industrial e o fim da monarquia na França precisavam ser levados em consideração por aqueles que queriam um grande governo para governar a vida de todos como os reis de antigamente haviam feito. Em efeito, eles transferiram sua lealdade ao rei para uma esperançosa tecnocracia, que poderia arquitetar a sociedade perfeita aplicando idéias “científicas” ao trabalho (mas apenas se tivesse poder ilimitado para fazê-lo).

Duas breves citações de Ayn Rand parecem relevantes aqui. “Fascismo e comunismo”, escreveu ela, “não são dois opostos, mas duas gangues rivais lutando pelo mesmo território… ambas são variantes do estatismo, baseadas no princípio coletivista de que o homem é o escravo sem direitos do Estado”. E, novamente Ayn Rand: “Não há diferença entre comunismo e socialismo, exceto pelos meios de alcançar o mesmo fim: o comunismo se propõe a escravizar os homens pela força, o socialismo — pelo voto. É apenas a diferença entre assassinato e suicídio.” E o fascismo, o socialismo e o comunismo são, evidentemente, todos “formas de governo autoritário”, para nos referirmos às palavras de Karl Hess. Portanto, todos os três pertencem ao lado direito do espectro político tradicional de esquerda/direita. Adolf Hitler era um direitista. Joseph Stalin também.

E o mesmo acontece com os autoproclamados “progressistas” de hoje. Como Richard Ebeling apontou recentemente, esses “progressistas” são, ideologicamente falando, “os netos” de Otto von Bismarck, o Chanceler da Alemanha Imperial nas últimas duas décadas do século XIX. Como escreve Ebeling, “Bismarck persuadiu o Kaiser Wilhelm a iniciar uma série de programas e controles governamentais para obter apoio político da população da ‘classe trabalhadora’, que se tornou a base e inspiração para o moderno Estado de Bem-Estar Social em todo o mundo”. Como disse o próprio Bismarck: “Minha ideia era subornar a classe trabalhadora, ou devo dizer, conquistá-la, para considerar o Estado uma instituição social que existe para o seu bem e está interessada em seu bem-estar. […] Seguro de vida, seguro de acidentes, seguro de doença… devem ser realizados pelo Estado.”

Soa familiar? Deveria. Pois esta é a música que há muito tempo é cantada por republicanos e democratas. Esses dois partidos, amplamente e absurdamente considerados como representantes da direita e da esquerda, respectivamente, na política americana, na verdade não são mais diferentes um do outro do que o Tweedledum e o Tweedledee de Lewis Carroll. Eles diferem apenas sobre quais programas de estado de bem-estar social bismarckiano deveriam receber mais dinheiro e em quanto qualquer programa de estado de bem-estar social bismarckiano deveria ter seu orçamento aumentado em um determinado ano. Que todos os programas do estado de bem-estar social bismarckiano devem desfrutar de aumentos orçamentários anuais é um dado adquirido tanto pelos republicanos quanto pelos democratas. A América de hoje é realmente governada por um único partido conservador com duas alas: os Republicanos e os Democratas; se decidirmos votar em um candidato mais importante de um partido, não temos escolha real a não ser eleger alguém que queira expandir o governo e reduzir a liberdade individual, ou seja, um conservador, um direitista. “Estatismo” é sinônimo de conservadorismo. O estatismo é a política da direita.

Mas se tanto republicanos quanto democratas, tanto conservadores quanto “liberais” modernos, bem como os que se autodenominam “progressistas”, estão na direita, quem está na esquerda? A resposta é: libertários. Os libertários são quase os únicos verdadeiros esquerdistas que restam neste país. Quando entrevistei o anarcocomunista de longa data Murray Bookchin para a revista Reason em 1978, ele fez alguns comentários sobre o espectro político esquerda/direita que vale a pena dizer hoje. “A esquerda americana hoje como eu a conheço”, ele me disse, “está caminhando para o autoritarismo, para o totalitarismo. Está se tornando a verdadeiro direita nos Estados Unidos. Não temos mais um americano de esquerda apreciável nos Estados Unidos.” Antes de nossa conversa terminar, entretanto, Bookchin reconheceu que havia, afinal, uma esquerda americana digna de menção. “Pessoas que resistem à autoridade”, disse ele, “[pessoas] que defendem os direitos do indivíduo, que tentam, em um período de crescente totalitarismo e centralização, reivindicar esses direitos — esta é a verdadeira esquerda nos Estados Unidos. Quer sejam anarcocomunistas, anarcossindicalistas ou libertários que acreditam na livre empresa, considero que eles são o verdadeiro legado da esquerda e me sinto muito mais próximo, ideologicamente, de tais indivíduos do que dos liberais totalitários e marxistas-leninistas de hoje.”

Bookchin estava convencido, ele me disse, de que o marxismo era “a mais sinistra… forma de totalitarismo. […] Não acho”, disse ele,“que a União Soviética e a China sejam acidentes, aberrações; eu acho que elas seguem do marxismo-leninismo. Eu acho que o leninismo vem das convicções básicas de Marx.” Ainda assim, ele disse: “Eu acredito em uma sociedade comunista libertária”. Por outro lado, Bookchin adicionou rapidamente. “Acredito que qualquer tentativa por parte de uma sociedade comunista libertária de restringir os direitos de uma comunidade — por exemplo, operar na base de uma economia de mercado — seria imperdoável, e eu me oporia às práticas de tal sociedade tão militante quanto eu penso que qualquer leitor da sua publicação faria. Se [uma sociedade comunista libertária] assumisse quaisquer formas totalitárias, quaisquer formas autoritárias que seja, eu me oporia a isso. E não só isso: gostaria de me juntar à sua comunidade [de mercado livre] para combatê-la. […] Se o socialismo, que é o que chamo de versão autoritária do coletivismo, surgisse, eu me juntaria à sua comunidade. Eu migraria para sua comunidade e faria tudo o que pudesse para evitar que os coletivistas restringissem meu direito de funcionar como eu gosto. Isso deve ficar bem claro.”

Em outras palavras, o que Bookchin estava pedindo era o comunismo voluntário.

Alguns libertários têm o hábito de dizer: “Nós, libertários, não somos de direita nem de esquerda; nós somos libertários.” Mas não importa o quão enfaticamente eles batam no peito ao dizer isso, eles estão errados. Eles se deixaram enganar e ser seduzidos por um jogo de confiança política impingido ao eleitorado americano no início da década de 1930, quando um demagogo oportunista chamado Franklin Delano Roosevelt começou a fazer passar por o mais novo tipo de “liberalismo”, um pacote de homilias e programas governamentais que tinha sido tradicionalmente apresentado ao público americano pelo Partido Republicano, o partido dos grandes negócios, o partido que era a favor do capitalismo mas contra o mercado livre. O “New Deal” de Roosevelt consistia principalmente em programas governamentais introduzidos por seu predecessor republicano, Herbert Hoover, atado com uma generosa dose de suborno do eleitorado popularizado pela primeira vez por Otto von Bismarck. Alguns objetarão que os conservadores historicamente defendem a liberdade individual e os mercados livres, mas essa visão é desinformada e a-histórica. Os republicanos que se opuseram ao New Deal se opuseram principalmente porque não o estavam administrando sozinhos; eles tiraram sua retórica libertária dos verdadeiros liberais, os liberais clássicos que são rotulados de “Velha Direita” hoje, pelos historicamente confusos. Essas pessoas, muitos deles publicitários como HL Mencken, Albert Jay Nock e Isabel Patterson, juntaram-se aos republicanos depois de serem expulsos do Partido Democrata, aparentemente na crença de que só assim poderiam se opor às políticas de FDR. O partido adotou sua retórica, mas eles o empregam apenas para enganar aquele subconjunto do eleitorado que se preocupa com essas coisas; então, uma vez no poder, eles fazem como FDR fez, o oposto exato do que eles alegaram acreditar.

Muitos dos mesmos libertários que dizem que o tradicional espectro político esquerda/direita é agora sem sentido e inútil dizem também que, começando na década de 1930 (ou, segundo alguns, começando por volta da virada do século XX), os termos Esquerda e Direita mudaram seu significado. Mas, na verdade, não o fizeram. O que aconteceu é que o uso popular desses termos mudou, à medida que mais e mais cidadãos com cada vez menos educação decidiram seguir o exemplo de homens de confiança em cargos públicos.

Acontece que, enquanto eu começava a trabalhar neste episódio de podcast há alguns dias, eu estava lendo a obra de três volumes da filósofa americana Susanne Langer, Mind: An Essay on Human Feeling, seu canto de cisne, um discurso totalmente notável sobre problemas em psicologia teórica e o que você pode chamar de antropologia especulativa. E em suas páginas, encontrei a observação de Langer de que “o uso popular […] comumente confunde e degrada o real sentido das palavras”. Sim, sim, eu entendo que o uso popular, em última análise, determina o significado correto das palavras. Ao mesmo tempo, porém, existem numerosas palavras cujo uso popular é tão confuso e degradado que alunos sérios e professores das disciplinas em que essas palavras precisam ser usadas especificaram significados mais precisos para eles em seu trabalho profissional. “Anarquia” é uma dessas palavras. “Capitalismo” é outra. “Egoísmo” é um terceiro. Meu conselho para estudantes sérios e escritores em áreas como teoria política, economia e ética é fazer exatamente isso — ser preciso com os significados que você atribui às palavras direita e esquerda quando se aplicam à teoria política. Siga a orientação do espectro político tradicional de esquerda/direita. Abjure as tentativas tolas de pessoas como Noah Goldberg de dar sentido a um espectro modernizado que coloca Barack Obama e Rand Paul em extremos opostos, com comunistas totalitários e anarquistas (que são nada mais que libertários totalmente consistentes) à esquerda de Obama e com ambos Adolf Hitler e Gary Johnson à direita de Rand Paul. Esclareça seu pensamento sobre este espectro.

Outro dia, um libertário escreveu no Facebook que não conseguia imaginar o que um libertário de esquerda seria, já que a esquerda favorece o governo grande, então o conceito de um libertário de esquerda é uma contradição em termos. É isso que leva a confusão e a degradação que vêm com o uso popular de palavras mal compreendidas. Seja claro em sua mente, pelo menos, sobre o que Esquerda e Direita realmente se referem. Compreendam que nós, libertários (junto com aqueles ancoms que favorecem uma sociedade coletivista puramente voluntária), somos a esquerda na América do início do século XXI. Não é o conceito de um libertário de esquerda que é uma contradição em termos; é o conceito de um libertário de direita que é uma contradição em termos, que é logicamente incoerente, ou seja, é, de fato, ridículo.

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *