O Cigarro e os impostos

Cigarro impostos
Jornal Libertário

Sobre o cigarro e os impostos, proponho uma análise através da visão libertária.

Na tarde de terça-feira (4), dois homens foram presos, pela Policia Rodoviária federal (PRF), por transportar cinco mil massos de cigarro de origem coreana.

Agora surgem algumas perguntas:

Qual o problema?

Qual o problema de comprar cigarro fora para revender?

Nenhum.

Mas como o estado não está recebendo a sua boquinha e eles tem o costume de transformar o que não dá dinheiro a eles, em crime, importar sem passar por eles, se torna contrabando. Portanto, cobram sobre o comércio de cigarro, impostos super altos.

No Brasil, o cigarro pode chega a ter 90% de imposto em cima dele, só isso, já é motivo suficiente para que muitos comprem cigarros lá fora, para fazer a revenda aqui dentro, por um preço mais barato.

Esse tipo de intervenção indevida na economia, faz com que muitos brasileiros procurem produtos que, as vezes, são de péssima qualidade, pois quando o estado aumenta os custos de um produto, nem todos vão conseguir obtê-lo, criando assim um mercado paralelo, que pode ou não ter qualidade em seus produtos.

Ao usar a desculpa de “Vamos taxar para diminuir o número de usuários”, mostram o absurdo que o estado é, por exemplo, tentando controlar as virtudes, a propriedade e o corpo alheio através de uma caneta.

Consequentemente, diminui a produção de pesquisas, de criação de novos produtos que possam causar um dano menor ao usuário, pois com cigarro tendo impostos altos, o mercado não se interessa em evoluir o produto.

Gostou do artigo? Conheça nosso curso de Lógica Formal.

Quer saber mais sobre Ética Libertária?
Acesse agora
o curso de Introdução à Ética Libertária.

Faça parte do clube da liberdade.

Inscreva-se em nosso Canal da Universidade Libertária no Youtube.

Gostou? Compartilhe!

2 reflexões sobre “O Cigarro e os impostos”

  1. Mas e a questão dos indicadores de qualidade como os selos? Cigarros contrabandeados não podem oferecer um risco maior a saúde por não sabermos a procedência?

    1. Aí é uma escolha do consumidor se quer correr o risco de comprar/usar ou não. E o consumidor provavelmente não vai ver problema, porque é fabricado pelas mesmas fabricantes daqui, só que em um país mais livre. Já os cigarros falsificados é uma outra história: ele está se passando por algo que não é, é fraude e crime. Entretanto, a ação estatal não evita esse tipo de fraude.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *