Cobertura de água e esgoto no Brasil é pior que no Iraque

Pílulas Vermelhas

Até países com PIB per capita inferior ao do Brasil, como Iraque, Peru, África do Sul e Bolívia ganham nos índices de cobertura. Hoje, 100 milhões de brasileiros não têm acesso à coleta de esgoto e 35 milhões não são abastecidos com água potável – números que refletem a prioridade do Estado e explicam tragédias como dengue e zika.

Os índices de cobertura para água e esgoto no Brasil é de 83,3% e 51,9% da população, respectivamente, enquanto no Iraque são de 88,6% e 86,5%.

“O setor, que foi esquecido nos últimos anos, precisa ser a prioridade das prioridades nessa nova gestão”, afirma o sócio-fundador da Miles Capital, Fabiano Custodio. Para ele, os governos, federal e estaduais, têm uma oportunidade para reverter esse quadro atraindo investidores privados para o setor. Na avaliação dele, uma das saídas é a privatização das estatais, muitas delas deficitárias. Acertou em cheio!

Hoje, apenas 6% dos municípios nacionais são atendidos pela iniciativa privada. O restante está nas mãos de empresas estatais, tendo como resultado esse desastre. “Muitas companhias estaduais estão com problemas de endividamento e baixa capacidade de captação, o que dificulta qualquer planejamento de expansão da rede”, diz o diretor da Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon), Percy Soares Neto. 

Pelo tamanho do déficit, o volume de investimento é grande. A universalização do saneamento básico exigirá R$ 440 bilhões, mas nem o Plano Nacional de Saneamento (Plansab) tem sido cumprido (nenhuma novidade). O plano foi lançado em 2013 e tinha como objetivo investir cerca de R$ 20 bilhões por ano até 2033 para abastecer 99% da população com água potável e levar rede de esgoto para 92% dos brasileiros. Um plano caro, ineficiente e não resolveria o problema em 100%.

Se o estado é superior ao livre mercado para fornecer serviços essenciais para as pessoas, por que no Brasil os pobres têm smartphones, acesso a internet e outras coisas, mas os índices de saneamento básico são precários? Somente a iniciativa privada pode resolver estas questões.

Fonte: Época Negócios, Exame.

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *